O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Quem Somos

Nossa Missão

Somos uma Entidade Filantrópica e Beneficente, instituída pelo Rotary Club de Santo André, e apoiada pelos demais Rotary Clubes da Cidade.



Nossa Missão é prestar serviços de diagnóstico e tratamento para reabilitação, com especial atenção a pessoas desprovidas de recursos.

Visamos constantemente a satisfação das pessoas que nos procuram, através de um atendimento caracterizado não somente pela qualidade técnica dos serviços, mas também pela atenção, respeito e calor humano que a nossa Equipe está empenhada em proporcionar, sem distinção de raça, credo ou condição social.


Política de Qualidade

A Casa da Esperança de Santo André, Entidade Filantrópica e Beneficente, conduzirá suas atividades, comprometendo-se com os seguintes princípios:



  • Satisfazer plenamente as necessidades da comunidade que utiliza os nossos serviços de diagnóstico e tratamento para reabilitação;
  • Desenvolver continuamente os nossos processos, priorizando um atendimento diferenciado e de alta confiabilidade, visando obter melhoria contínua dos nossos serviços;
  • Promover a conscientização e a participação dos funcionários na busca da melhoria contínua dos nossos processos, capacitando-os adequadamente;
  • Prestar atendimento gratuito a pessoa carente, que atenda aos requisitos do serviço social, promovendo inclusão em nome da união, com igualdade, e em quantidade estabelecida na legislação.

Breve Histórico

A Casa da Esperança de Santo André foi fundada pelo Rotary Club em 30 de Julho de 1954. Sua história tem sido um marco importante dentro do contexto social da nossa Cidade.

O atendimento prestado pela Instituição teve início em uma enfermaria do Hospital Municipal, cedida pelo Prefeito de Santo André na época, o Sr. Fioravante Zampol, especialmente para o fim de atender crianças com Poliomielite, sob a responsabilidade, coordenação e apoio da Dra. Maria Elisa Bierrenback Savoy.

Em Dezembro de 1954, em assembléia realizada, formalizou-se a Instituição com o nome de "ASSOCIAÇÃO PATROCINADORA DA CASA DA ESPERANÇA DE SANTO ANDRÉ" e, também, foram aprovados o Estatuto, a composição do Conselho Administrativo, da Diretoria e do Conselho Fiscal.

A primeira médica Responsável Clínica da Casa foi a Dra. Maria Elisa Bierrenback Savoy. Formada em 1941, ela foi assistente da Clínica Neurológica do professor Aderbal Tolosa (Universidade de São Paulo). No ano de 1943/1944 foi bolsista da Fundação Reader (na Universidade de Mineapolis), estagiando a seguir no Kermy Institute. Em 1952 foi para a Clínica de Paralisia Cerebral do Dr. Phelps, de Baltimore, além de ter estagiado em Paris nas áreas de Neurologia e Recuperação.

Com todo o seu cabedal de conhecimentos, a Dra. Maria Elisa impressionou os sócios do Rotary Club de Santo André, impulsionando o projeto de criação daquela que veio a ser a "Casa da Esperança de Santo André".

Nessa época, o apoio econômico da Casa da Esperança era quase que totalmente suportado pelos sócios da Instituição e as verbas conseguidas com festejos e eventos promovidos pela comunidade.

Em 1957, com o advento da vacina "Salk", a Casa da Esperança de Santo André tornou-se a pioneira nas campanhas de vacinação na região, sendo vacinadas cerca de 3.000 crianças de agosto de 1957 à outubro de 1958. A vacina "Salk" foi empregada até Julho de 1961. Iniciando a vacinação via oral com a vacina "Sabin", em agosto desse mesmo ano, a Casa da Esperança de Santo André continuou a liderar a campanha, sempre com o apoio do Rotary Club de Santo André.

Desde a sua fundação até o ano de 1962 a Casa possuía 827 (oitocentos e vinte e sete) crianças matriculadas para atendimentos.

Em 1963 o atendimento às crianças foi maior, apesar de ter sido reduzido o número de associados. Essa redução no quadro associativo implicou em um trabalho árduo e exaustivo por parte dos rotarianos e da comunidade, para suprir as necessidades da Instituição.

Ainda em 1963, os sócios começaram a pensar na construção de uma sede própria, já que estavam instalados provisoriamente no Hospital Municipal.

Em novembro de 1963 foi aprovada a Lei nº 2.080, autorizando a Prefeitura Municipal de Santo André a ceder em comodato, por quarenta anos, um terreno localizado na Av. Dr. Alberto Benedetti, na Vila Assunção, para construção da sede da Casa da Esperança de Santo André.

Em dezembro de 1965, envolvendo praticamente toda a cidade, a indústria, o comércio, as autoridades, e demais clubes de serviços, e, todos trabalhando com muito esforço, finalmente, conseguiram lançar a pedra fundamental da Instituição. O início das obras deu-se meses depois. A mobilização era constante para arrecadação de fundos. A falta de recursos era premente.

No mês de fevereiro de 1967 a sede própria foi inaugurada encerrando uma fase de improvisação e entusiasmo para começar outra, com uma administração mais organizada.

Novos equipamentos foram adquiridos, novos profissionais contratados e mais crianças atendidas.

No início de 1969 a Casa da Esperança começou um movimento no sentido de firmar convênios com empresas e instituições da região, para prestação de serviços médicos, com o objetivo de conseguir recursos para fazer frente às despesas, visando liberar os rotarianos das mensalidades que vinham pagando à Casa. A partir de então, aos poucos, foram sendo firmados convênios com empresas e instituições da região.

A Casa da Esperança cresceu muito e foi totalmente remodelada. Em 1989 foi adquirido e instalado o primeiro Tomógrafo Computadorizado, modelo Syteb 3.000 da General Electric; segundo equipamento do gênero instalado na região.

Em 1992 foi adquirido um aparelho de Ressonância Magnética, modelo 0,5 T, também da General Electric, primeiro equipamento do tipo a ser instalado no grande ABCDMR.

Em 1995 foi adquirido mais um aparelho de Ressonância Magnética, modelo 1,5 T, da General Electric. Em 1998, o primeiro Tomógrafo foi substituído por um aparelho mais atualizado, modelo helicoidal "Pro Speed" também da General Electric. Na mesma época foi adquirida uma Câmara Laser da Kodak. Também nessa época, a Casa passou por uma grande reforma em suas instalações (interna e externamente). Com a aquisição dos referidos equipamentos a Casa da Esperança permaneceu por muitos anos como pioneira na região do ABC, transformando-se num grande Centro de Diagnóstico por Imagem.

Em processo de crescimento contínuo, a Casa da Esperança de Santo André inaugurou em dezembro de 1991 um Centro Neurológico, prestando consultas em diversas especialidades com ênfase especial para: neurologia, ortopedia, fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e psicologia.

Evoluindo no seu programa de ampliação, instalou-se em 1999 o Serviço de Ultrassonografia e Mamografia. Nessa mesma época foram adquiridos geradores elétricos de emergência para as duas unidades (Centro Diagnóstico e Centro Neurológico).

Outra inovação na região: em agosto de 2001 foi edificada a construção de uma piscina com hidromassagem, criada para complementar os tratamentos dados às pessoas portadoras de deficiências físicas e neurológicas. Foi criado, a partir daí, o setor de Hidroterapia com equipamentos especiais para tratamentos neurológicos.

Em dezembro de 2004 foi efetuada a atualização (up grade) do Equipamento de Ressonância Max 0,5 T, passando para Contour, possibilitando a realização de uma gama maior de exames e com qualidade bem superior.

No ano de 2005, sempre tendo em vista a melhoria da qualidade dos serviços oferecidos, a Casa da Esperança de Santo André adquiriu:

- dois novos equipamentos de Eletroencefalografia digitais;

- novos aparelhos, de última geração, para o Setor de Cardiologia: um Ecógrafo com Análise Spectral Doppler, modelo Vivid 3, e, uma esteira ergométrica Classic para avaliação e recuperação cardio - vascular, bem como um microcomputador, impressora e software para sistema de ergometria Imbramed.

Em março de 2006, foi realizada uma atualização (up grade) do equipamento de Raio X, valorizando a qualidade dos exames realizados e agilizando o tempo de execução dos mesmos.

Recentemente, a Instituição adquiriu um novo Aparelho de Ressonância Magnética, de última geração, também da marca General Electric, modelo Signa Excite HDx 1,5 T, que possibilita novas modalidades de diagnóstico por ressonância magnética, com qualidade superior, além de maior eficiência, presteza e agilidade, tais como: angio - ressonância de membros, angio – ressonância de tórax, abdome e vasos periféricos, colangio – ressonância, e, ressonância de crânio com técnica de difusão, resultando, consequentemente, na melhora da performance diagnóstica a serviço de toda classe médica e dos pacientes. O novo equipamento já está em funcionamento.

A nossa constante preocupação não diz respeito tão somente ao aperfeiçoamento tecnológico, mas também, a capacitação dos profissionais integrantes da nossa equipe. O nosso Corpo Clínico é composto de profissionais com ótima formação acadêmica, muitos deles com defesa de tese em mestrado e doutorado, que além de atuar na Região do ABC, fazem parte de serviços de referência na cidade de São Paulo, além de, ainda, manterem seus vínculos acadêmicos. Profissionais esses, capacitados para atender à demanda dos pacientes que procuram nossa Instituição, que na sua grande maioria, apresentam doenças neurológicas e ortopédicas de alta complexidade, requerendo muita dedicação e competência dos profissionais que aqui atuam, a fim de obter um diagnóstico preciso, com acompanhamento contínuo e constante.

Ressalte-se que, devido a falta de clínicas especializadas na Região do ABCDMR para tratamentos voltados à pacientes de alta complexidade, os profissionais da classe médica têm nossa Instituição como referência.

A Casa da Esperança de Santo André continua ocupando posição de destaque na região do Grande ABCDMR, dentro do seguimento de sua atuação.

Os atendimentos continuam sendo prestados àqueles que procuram os seus serviços, sem limitação de idade e sem qualquer tipo de discriminação quanto à raça, cor, religião ou condição social, merecendo destaque especial os serviços realizados para as pessoas desprovidas de recursos próprios.